Coronavírus: Crivella muda o tom e agora diz que momento ‘é preocupante’ Com 85% dos leitos de UTI ocupados, prefeito pede parceria com governo federal e anuncia: não vai liberar mais "absolutamente nada" nos próximos dias ~ JV NOTICIAS

ATENÇÃO

ESTAMOS ARRUMANDO O SITE EM BREVE ESTARA NORMAL

Coronavírus: Crivella muda o tom e agora diz que momento ‘é preocupante’ Com 85% dos leitos de UTI ocupados, prefeito pede parceria com governo federal e anuncia: não vai liberar mais "absolutamente nada" nos próximos dias



O clima de comemoração demonstrado pelo prefeito Marcelo Crivella e sua equipe nas últimas entrevistas coletivas mudou drasticamente nesta sexta (18). Os muitos “Graças a Deus” por conta de números que, dependendo do método de levantamento, mostravam queda na mortalidade pela Covid-19, foram substituídos por lamentos e armações pouco otimistas em relação ao cenário atual da pandemia no Rio. “Estamos numa fase muito delicada”, disse a secretária de Saúde, Beatriz Busch. Covid-19: pesquisa revela que 47,5% das pessoas temem viajar de avião O panorama preocupante, segundo Busch, tem ligação direta com o recente fechamento de muitos leitos de UTI – cerca de 100 deles foram desativados nos últimos quinze dias. A expectativa era que os números de casos e óbitos pela doença continuassem a cair. Isso não aconteceu e a ocupação desses leitos, exclusivos para pacientes de Covid-19 no município, agora passa de 85%. “Estamos andando de lado e isso não é bom”, disse o prefeito.
De acordo com Crivella, a prefeitura tenta rmar um convênio com o governo federal para reabrir 95 leitos no Hospital Ronaldo Gazzola, em Acari. “A curva não está caindo como esperávamos”, armou. Por conta desse “erro de cálculo”, o prefeito anunciou que não vai liberar mais “absolutamente nada” pelo menos até 1º de outubro, quando está prevista a última fase de exibilização das atividades no Rio. ‘Saí de casa rapidinho’: as desculpas de quem vai às ruas sem proteção O recado tinha endereço certo: administradores de salas de teatro e cinema da cidade, que pediram a liberação da venda de alimentos e bebidas em seus estabelecimentos – na última segunda (14), um decreto municipal autorizou a volta dessas atividades culturais, mas sem a comercialização de pipocas, balas e refrigerantes. “Os empresários alegaram que sem esse comércio o negócio deles ca inviável economicamente, mas constatamos que ainda não é a hora”, disse o superintendente da Vigilância Sanitária, Flávio Graça. + Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui O clima era até de certo mau humor em toda a equipe, e ao ser perguntado por um jornalista se teria uma previsão para a volta às aulas, Crivella foi lacônico: “Não, senhor”. E encerrou a entrevista. 
FONTE:https://vejario.abril.com.br/
Share:

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Prefeito de cidade goiana autoriza população a não usar máscara e libera aglomerações

Em uma de suas primeiras ações como prefeito de Terezópolis de Goiás, Uilton Pereira, do Progressistas, flexibilizou o uso de máscara em loc...

Redação: O site JVHOPENOTICIAS é um veículo comunicação independente com notícias do Brasil e do Mundo. Nossa missão é levar ao público a verdade dos fatos, sempre com informações de fontes seguras e confiáveis para você formar sua própria opinião.

Comentarios

SIGA-ME

SIGA-ME
SEJA UM SEGUIDOR

Seguidores

FISIHOLISTICO